sábado, 8 de novembro de 2014

A primeira resolução do PT



      O PT publicou sua primeira carta com resoluções partidárias pós eleição. Dentro de um mundo político em que a maioria dos partidos é apenas um ajuntamento de letras (e tenho certeza de que muitos dos seus membros não conhecem a linha ideológica do seu próprio partido), acho extremamente válida esta exposição. Adianto que não concordo, ideologicamente, com muitas destas resoluções. Na verdade, não concordo com o falso socialismo, ou o comunismo totalitário disfarçado de democracia e acho que as resoluções são um caminho aberto para uma dominação ampla, geral e irrestrita do PT, como futuro partido único do Brasil. Ou seja, clássica ditadura de esquerda, onde tudo é lindo e todos têm liberdade, desde que não sejam contrários ao governo.
     Porém, acho ótimo que as ideias sejam claramente expostas, para que as pessoas (eleitores) possam realmente saber o que ou quem estão defendendo, apoiando ou votando.
      Está tudo aqui, e acho que todos que querem fundamentar um pouco mais seu conhecimento político, ou mesmo aqueles que pretendem fazer críticas que não sejam do tipo outdoor (que não chama mais a atenção de ninguém), devem ler:

oooops... em tempo, no dia seguinte depois que publiquei o link passou a direcionar para o site do partido e não mais para a carta. Então, para ficar mais fácil, estou colocando ela toda aqui, na sequência...

1
RESOLUÇÃO POLÍTICA
A reeleição da companheira Dilma Rousseff para presidir o Brasil até 31 
de dezembro de 2018 é uma grande vitória do povo brasileiro. Uma 
vitória comemorada por todos os setores democráticos, progressistas e 
de esquerda no mundo e, particularmente, na América Latina e no 
Caribe.
Uma vitória sobretudo do PT e do nosso projeto, que conquista um 
quarto mandato, algo que nenhum outra força política havia 
alcançado até agora no País.
Foi uma disputa duríssima, contra adversários apoiados pela direita, 
pelo oligopólio da mídia, pelo grande capital e seus aliados 
internacionais. Vencemos graças à consciência política de importantes 
parcelas de nosso povo, da mobilização da antiga e da nova 
militância de esquerda, da participação de partidos de esquerda e da 
dedicação e liderança do ex-presidente Lula e da presidenta Dilma.
Nossa candidata soube conduzir a campanha com firmeza e sem 
recuos, mesmo nos momentos mais difíceis. O enfrentamento com o 
adversário em debates comprovou o preparo e a diferença da nossa 2
presidenta para vencer os desafios da atual conjuntura.
A oposição, encabeçada por Aécio Neves, além de representar o 
retrocesso neoliberal, incorreu nas piores práticas políticas: o machismo, 
o racismo, o preconceito, o ódio, a intolerância, a nostalgia da 
ditadura militar.
Inconformada com a derrota, a oposição cai no ridículo ao questionar 
o resultado eleitoral no TSE. Ainda ressentida, insiste na divisão do País e 
investe contra a normalidade institucional. Tenta chantagear o governo 
eleito para que adote o programa dos derrotados.
Para afastar as manobras golpistas e assegurar à presidenta Dilma um 
segundo mandato ainda melhor que o primeiro, o processo de 
balanço das eleições — que este documento abre mas não encerra —
deve apontar para iniciativas de curto, médio e longo prazo, que 
dizem respeito, inclusive, ao desempenho e funcionamento do PT. Os 
textos apresentados como contribuição ao balanço devem ser 
amplamente divulgados no site do partido, até a próxima reunião do 
Diretório Nacional. 
Cabe, desde já, analisar os resultados das eleições estaduais, 
majoritárias e proporcionais; o comportamento das classes e setores 
sociais na campanha; o papel dos movimentos sociais; a atuação dos 
partidos políticos, inclusive a dos aliados; a movimentação do campo 
democrático-popular; a batalha da cultura e da comunicação; a 3
mídia e as redes sociais — enfim, variáveis importantes não apenas 
para avaliar o resultado eleitoral, mas, sobretudo, para construir uma 
estratégia e um novo padrão de organização-atuação, necessários 
para seguir governando, indispensáveis para continuar transformando 
o Brasil.
É urgente construir hegemonia na sociedade, promover reformas 
estruturais, com destaque para a reforma política e a democratização 
da mídia. Para tanto, antes de tudo é preciso dialogar com o povo, 
condição vital para um partido de trabalhadores.
Para que a presidenta Dilma possa fazer um segundo mandato superior 
ao primeiro, será necessário, em conjunto com partidos de esquerda, 
desencadear um amplo processo de mobilização e organização dos 
milhões de brasileiros e brasileiras que saíram às ruas para apoiar Dilma 
Rousseff, mas também para defender nossos direitos humanos, nossos 
direitos à democracia, ao bem estar social, ao desenvolvimento, à 
soberania nacional.
As eleições de 2014 reafirmaram a validade de uma ideia que vem 
desde os anos 1980: para transformar o Brasil, é preciso combinar ação 
institucional, mobilização social e revolução cultural.
O Partido dos Trabalhadores, como principal partido da esquerda 
brasileira, está convocado a encabeçar este processo de mobilização 
cultural, social e política. Que exigirá renovar nossa capacidade de 4
compreender a sociedade brasileira, a natureza do seu 
desenvolvimento capitalista, a luta de classes que aqui se trava sob as 
mais variadas formas.
Realizar um balanço como propomos demandará um certo tempo, 
necessário para analisar variados aspectos, consolidar os dados 
mensuráveis, ouvir as distintas opiniões, produzir uma reflexão à altura 
do processo extraordinariamente rico que vivemos, só comparável à 
campanha de 1989.
O 5º Congresso do Partido dos Trabalhadores deve converter-se neste 
processo de diálogo entre o Partido e estes milhões que foram às ruas 
defender a reeleição de Dilma Rousseff. Um diálogo tanto com os 
petistas quanto com aqueles que não são do PT e que criticam, sob 
diferentes ângulos, nosso Partido.
Cabe ao Diretório Nacional do PT, convocado para os dias 28 e 29 de 
novembro de 2014, aprovar uma agenda congressual que preveja 
debates abertos a toda a militância que se engajou em defesa da 
candidatura Dilma, bem como um momento final que possibilite a 
síntese e o salto de qualidade tão necessários para que o Partido seja 
capaz de, tanto quanto superar seus problemas atuais, contribuir para 
que o segundo mandato de Dilma seja superior ao primeiro.
Porém, certas medidas, impostas pela realidade internacional e 
nacional, mas principalmente pela atitude de reação permanente da 5
oposição, precisam ser tomadas imediatamente.
Por isso, propomos:
1. Conclamar a militância a participar dos atos em defesa da 
democracia e da reforma política, previstos para a semana de 9 
a 15 de novembro;
2. Adotar iniciativas para dar organicidade ao grande movimento 
político-social que venceu o segundo turno das eleições 
presidenciais. Compor uma ampla frente onde movimentos 
sociais, partidos e setores de partidos, intelectuais, juventudes, 
sindicalistas possam debater e articular ações comuns, seja em 
defesa da democracia, seja em defesa de reformas 
democrático-populares;
3. Priorizar ações de comunicação, fortalecendo nossa agência de 
notícias, articulando-a com mídias digitais, com ação 
permanente nas redes sociais. Integrar nossas ações de 
comunicação com o rico movimento cultural em curso no País.
4. Relançar a campanha pela reforma política e pela mídia 
democrática, contribuindo para que o governo possa tomar 
medidas avançadas nestas áreas e para sustentar a batalha que 
travaremos a respeito no Congresso Nacional.
5. Organizar caravanas a Brasília para realizar uma grande festa 6
popular no dia da segunda posse da presidenta Dilma Rousseff.
6. Reafirmar o compromisso do PT com a seguinte plataforma:
a) a reforma política, precedida de um plebiscito, através de uma 
Constituinte exclusiva;
b) democracia na comunicação, com uma Lei da Mídia Democrática; 
c) democracia representativa, democracia direta e democracia 
participativa, para que a mobilização e luta social influenciem a ação 
dos governos, das bancadas e dos partidos políticos. O governo 
precisa dar continuidade à participação social na definição e 
acompanhamento das políticas públicas e tomar as medidas para 
reverter a derrubada da Política Nacional de Participação Social, 
objeto de um decreto presidencial cancelado pela maioria 
conservadora da Câmara dos Deputados no dia 28 de outubro de 
2014;
d) a agenda reivindicada pela Central Única dos Trabalhadores, na 
qual se destacam o fim do fator previdenciário e a implantação da 
jornada de 40 horas sem redução de salários;
e) o compromisso com as reformas estruturais, com destaque para a 
reforma política, as reformas agrária e urbana, a desmilitarização das 
Polícias Militares;7
f) salto na oferta e na qualidade dos serviços públicos oferecidos ao 
povo brasileiro, em especial na educação pública, no transporte 
público, na segurança pública e no Sistema Único de Saúde, sobre o 
qual reafirmamos nosso compromisso com a universalização do 
atendimento e o repasse efetivo e integral de 10% das receitas 
correntes brutas da União para a saúde pública;
g) ampliar a importância e os recursos destinados às áreas da 
comunicação, da educação, da cultura e do esporte, pois as grandes 
mudanças políticas, econômicas e sociais precisam criar raízes no 
tecido mais profundo da sociedade brasileira;
h) proteção dos direitos humanos de todos e de todas. Salientamos a 
defesa dos direitos das mulheres, a necessidade de criminalizar a 
homofobia, o enfrentamento dos que tentam criminalizar os 
movimentos sociais. Afirmamos o compromisso com a revisão da Lei da 
Anistia de 1979 e com a punição dos torturadores. Assim como com a 
reforma das polícias e a urgente desmilitarização das PMs, cuja 
ineficiência no combate ao crime só é superada pela violência 
genocida contra a juventude negra e pobre das periferias e favelas;
i) total soberania sobre as riquezas nacionais, entre as quais o Pré-
Sal, e controle democrático e republicano sobre as instituições que 
administram a economia brasileira, entre as quais o Banco Central, a 
quem compete entre outras missões combater a especulação 8
financeira. 
O Partido dos Trabalhadores considera que são medidas políticas e 
diretrizes programáticas amplas, envolventes, de natureza mais social 
que institucional, que farão a diferença nos próximos quatro anos. 
Desde 1989, o PT polariza as eleições presidenciais. Nas sete eleições 
presidenciais realizadas desde então, perdemos 3 e vencemos 4. Mas 
esta de 2014 foi a mais difícil já disputada por nós, em que ganhamos 
enfrentando um vendaval de acusações não apenas sobre nossa 
política, mas sobre nosso partido. Neste sentido, o Partido tem que 
retomar sua capacidade de fazer política cotidiana, sua 
independência frente ao Estado, e ser muito mais proativo no 
enfrentamento das acusações de corrupção, em especial no 
ambiente dos próximos meses, em que setores da direita vão continuar 
premiando delatores.
O PT deve buscar participar ativamente das decisões acerca das 
primeiras medidas do segundo mandato, em particular sugerir medidas 
claras no debate sobre a política econômica, sobre a reforma política 
e em defesa da democracia nos meios de comunicação. É preciso 
incidir na disputa principal em curso neste início do segundo mandato: 
as definições sobre os rumos da política econômica.
O PT precisa estar à altura dos desafios deste novo período histórico. 
Sobretudo, precisa honrar a confiança que, mais uma vez, o povo 9
brasileiro depositou em nós. Não o decepcionaremos: com a estrela 
vermelha no peito e um coração valente, avançaremos em direção a 
um Brasil democrático-popular.
Brasília, 03 de novembro de 2014
Comissão Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores
PT.ORG.BR

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

DÍVIDA EXTERNA X DÍVIDA INTERNA - mediador: FMI




tinha postado só no face, mas acho bom ficar aqui na maior perenidade do blog.
Acabamos de ver no MMA eleitoral a Dilma golpear muitas vezes o outro lutador com a verdade soberana que o PT quitou a dívida com o FMI. Quem sai um pouco da superficialidade sabe que é um viés de mentira deslavada, propiciada pela inteligente e desonesta jogada de marketing do Lula, que fez de conta que pagou a externa e multiplicou a interna. Mas a minha grande dúvida neste imbróglio (embora seja só uma dúvida metafórica) é: POR QUE A OPOSIÇÃO NÃO MOSTROU A VERDADE?

Quando teve a CPI da dívida pública, o PSDB fugiu. O DEM fugiu, entre outros que também fugiram. Quer dizer, o rabopresismo do gosmento corpo político brasileiro não deixa nada claro nunca, e "avanços verdadeiros" ficam só em promessas de campanha. Ali eles acontecem como se fôssemos o melhor país do planeta. Na real, este que todos estão vendo agora no pós batalha, é o Brasil que temos.


Numa das minhas vasculhas pela net (entre livros) encontrei há algum tempo (abril deste ano) esta excelente entrevista, bastante elucidativa. Mas vale a pena também ler o que o deputado Ivan Valente, do PSOL, publicou em sua página em março de 2010 (ando ficando antigo). Antes que se confundam, não sou PSOL, mas ele mostra bem o que estava acontecendo na CPI. 



domingo, 26 de outubro de 2014

Dilma, presidente...

Vitórias e derrotas eleitorais fazem parte do crescimento democrático de uma nação. O mapa eleitoral brasileiro tem muito a dizer para toda classe política, que um dia há de se renovar. O PSDB perdeu em Minas e no norte/nordeste, e daí talvez possa tirar a grande lição de que tem que descer do pedestal e entender que todos os seres humanos são iguais em direitos. O PT perdeu no sul/sudeste/centro-oeste, onde, de uma maneira geral,  há maior empreendedorismo e escolaridade, portanto, maior discernimento sobre cidadania, e daí talvez possa tirar a grande lição de que tem que entender que todos os seres humanos são iguais em direitos. Todos inclui ricos, negros, pobres, gays, evangélicos, católicos, budistas, brancos, espíritas, direitas, velhos, heteros, esquerdas, crianças... todos, sem exceção. E todos têm que ser iguais, sem que uns sejam mais iguais do que os outros. O Brasil é um só e embora muitos pensem que "o sul é o meu país", fazemos parte de uma grande família, onde as disparidades servem de crescimento para todos, e não vamos deixar que a influência de nenhum partido consiga mudar isso.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Este é o Brasil que temos






a disparidade dos institutos de pesquisa é a fotografia da corrupção tão profundamente enraizada no Brasil. Infelizmente, muita coisa não incomoda mais. Mortes, ônibus incendiados, adolescentes drogados acabando com suas vidas e de suas famílias, execuções sumárias, políticos corruptos, principalmente se estes fatos não nos atingirem diretamente. Tenho certeza que a imprensa brasileira tem papel preponderante nisso, baixando o nível geral, eternamente atrás do efeito midiático que dá mais retorno econômico, vide BBBs da vida e programas de jornalismo sensacionalistas. Então tivemos um sonhos quando pintamos a cara para que as diretas já fossem realidade, mas a moral do sistema político virou uma draga de esperanças. O sonho virou um pesadelo, com direito a caçador de marajás no poder (e a mídia fez até novela preparando seu caminho), com plano isso e plano aquilo, confisco da poupança e uma incompetência gestacional digna dos piores ditadores. E o pesadelo nos trouxe uma inflação de quase mil porcento ao ano. Então tivemos o FHC, que montou na sela do plano real e esporeou o cavalinho Brasil até a exaustão, achando que seria eternamente aplaudido. Então tivemos o Lula paz e amor e a inabalável ética petista (que chegou a me conquistar), definhada até virar pau de galinheiro quando ele e Maluf se abraçaram entre sorrisos. Então as coligações desabaram para o fisiologismo e este para o corporativismo escancarado. Então o estado começou a ser maior que as instituições e manipular números. Então vimos a miséria da corrupção não impressionar mais a ninguém, até porque, as pessoas têm a impressão que a corrupção não as prejudica diretamente. E a miséria moral virou tanta, que muita gente chega a pensar que o PSDB é a solução. O PSDB de cima do muro, que sempre se aproveitou das ondas momentâneas e desconstruiu de maneira exemplar a imagem de tantos concorrentes, principalmente quando o famigerado Serra estava nas disputas (e hoje reclama do Aécio ser desconstruído). É isso que temos. E eu, no meio disso tudo, tão indignado que estou com a tamanha falta de ética do PT, e contra o decreto 8234, e por achar que política social é obrigação, (assim como honestidade não é virtude, também é obrigação), sou levado a preferir que o Aécio ganhe, porque na balança das intenções, o que a desequilibra é que ele é contra a reeleição. A reeleição tende a levar as "pessoas a votarem em pessoas", não em ideias e ideologias. Ideias e ideologias HONESTAS e consequentemente fieis aos seus princípios, combatem naturalmente a corrupção, e a maioria das mazelas sociais.  E, antes que os pensadores que formam o esquadrão da ditadura intelectual da esquerda venham me questionar, quero lembrar que apenas estou exercendo minha liberdade democrática. Enquanto ela existe. Ah... em tempo: acho que a Dilma ganha, porque é esse o Brasil que temos...

domingo, 21 de setembro de 2014

Surpresa de bacalhau...

Leve e sudável, além de muito fácil de fazer. Um prato elegante e saboroso e que pode ser feito com um bacalhau mais simples, como o gadus macrocephalus (do pacífico). Porém, tem alguns pequenos segredos. Este bacalhau é barato e se encontra quase dessalgado, em filés grandes, com preço em torno de R$ 20,00 o quilo. Bem, vamos à receita...

1- Descongele o grande filé de bacalhau gadus macrocephalus e corte em pedaços médios, depois deixe na água por meia hora (o filé vem com um pouco de sal). Em seguida aperte-os com as mãos, até tirar toda a água e coloque num recipiente separado. Depois de todos secos, encharque-os com um bom óleo de oliva e não coloque sal.

2- Coloque camarões limpos e lulas em anéis em tempero de limão, sal e ervas de provence (da boa) e deixe na geladeira, de preferência de um dia para o outro.


3- monte em uma folha de papel alumínio, colocando o bacalhau embaixo, depois 2 anéis de lula, 2 anéis de cebola, 1 anel de pimentão verde, fatias finas de alho, pimenta rosa, 4 camarões médios, 4 fatias de azeitona preta, 3 folhas de manjericão, um pouco de sal e uma colher de sopa de óleo de oliva extra virgem. Feche o papel alumínio e faça uma trouxa. Coloque as trouxas numa travessa e asse por 45 minutos em fogo alto.


          


4- O acompanhamento pode ser com batatas douradas, como eu fiz, mas também pode ser um cous-cous, arroz, ou o que a criatividade avisar que combina...

         


5- O vinho... ah! um riesling da Luiz Argenta foi nossa companhia. Simplesmente maravilhoso.


        

6- bon appétit...

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

domingo, 31 de agosto de 2014

A revolução do silêncio, Marina e a nova política... era disso que eu estava falando!!!


Quando a eleição geral passada registrou cerca de 30% de votos inválidos, o meu incluso, ficou marcado nos anais históricos uma "violenta revolução silenciosa". Como um cavaleiro inexistente, uma ideia se espalhou por mentes e corações sofridos. Mentes e corações cansados de um mais do mesmo para sempre e todo o sempre, no período de suas existências e suas lembranças, chamado política nacional. Uma revolução silenciosa como esta não se constrói de improviso. Pelo tempo o desmando e o descaso martelou incansável na saga de quem acredita que é possível viver e crescer dependendo do seu trabalho e sua boa interação com a sociedade onde está inserido. Martelou e machucou, até que, por cansaço, veio a revolução. Veio a revolução do silêncio, manifestada em silêncio, nos 30% de inválidos do TSE (postado em 01/11/2010) .O silêncio foi quebrado em junho de 2013 e a revolução ganhou as ruas e noticiários, obviamente. Alimentou a mídia e chamou a atenção para o fato de que uma parcela significativa da população estava descontente. Aqueles que comandam, os governos, de uma maneira geral, mesmo entendendo o significado desta revolução, preferiram mais calá-la do que ouvi-la. Foi mais fácil transformar o movimento em vandalismo, plantando violência no seu âmago, e assustando os pacíficos, do que se preparar para qualquer tipo efetivo de mudança. Foi mais fácil fazer de conta que tudo estava bem. Que engano! Então foram feitas propostas e foram gritadas soluções, não efetivadas, no mesmo faz de conta de sempre. A politicagem regada ao velho e bom clientelismo continuou recheando de fisiologismo e corporativismo o pato que ninguém paga da política nacional. Quer dizer, nada mudou de concreto, só que tá na hora de se começar a pagar o pato.
Mas, o que estes 30% de inválidos do TSE querem? O que esta população que foi às ruas nos movimentos de junho/13 quer? Querem mais decência e, consequentemente, menos mentiras por parte dos governos, em todas as suas esferas. Querem cidadania e tudo o que esta palavra significa. Querem respeito. Porém, sem tardar um minuto na sua saga, começa a campanha para uma nova eleição, e o que o povo vê é a repetição de tudo. Lemas, palavras de ordem, mentiras e musiquinhas infinitamente pobres e irritantes. Educação, saúde, segurança, luta contra a corrupção, transporte, bolsas e tais. Repete-se a desavergonhada busca pelo ÚNICO bem que temos e que interessa Aos políticos: o voto. Todo o restante vem à galope para suas vidas regadas de riquezas tão distantes da população. 
Só que neste momento a ideia dos inválidos virou ideologia e provavelmente um bom marqueteiro de campanha conseguiu ler nas entrelinhas da revolução do silêncio. Sem perder tempo, armou sua heroína (que lhe paga bem) com a espada luminosa que desbravará um novo tempo e a fez decorar os principais itens do discurso que mais agradaria os tantos e tantos revolucionários silenciosos (além dos 30%, quantos foram votar porque o voto é democraticamente obrigatório?). E ela veio. E é provável que ela tenha vindo, e fique. Então ninguém se assuste se tivermos uma nova Presidente do Brasil, porque sua equipe (e talvez mesmo ela, porque é esperta) soube enxergar a ideia da revolução silenciosa dos inválidos do TSE. Soube entender os movimentos de junho. Tenho certeza que os outros também souberam, mas não quiseram arriscar mudar de postura, diante de tudo o que tinham a perder. 

E assim Marina Silva, sem nada a perder, brada pelos campos seu grito heroico: pela NOVA POLÍTICA NACIONAL!

Exatamente o que os revolucionários silenciosos querem como ponto de partida. Mas querem de verdade. Querem como realidade. Somente isso, pra começar. 

Em tempo. Não acredito em soluções milagrosas. Não estou declarando meu voto. Não acredito que a Marina Silva vai solucionar nossos problemas de maneira diferente de qualquer outro que aí está. A considero mais um degrau da escada da democracia. Entendam bem isso, por favor. 

quarta-feira, 18 de junho de 2014

ELITE DOMINANTE




TODA ELITE DOMINANTE SE VÊ TENTADA PELO PODER... e passa da conta.

A ELITE DOMINANTE DE ESQUERDA, tão nociva quanto qualquer elite dominante, opressora e intelectualmente arrogante, está disseminando a ideia do ódio entre classes, infelizmente. Remova-se da sociedade todos os políticos, e seremos apenas humanos, com nossas situações evolutivas particulares, dificuldades particulares, e não massas de manobra eleitoreira. Os políticos se colocam como defensores populares, e o deveriam ser, porque é a razão de existirem, mas, com o poder, também passam da conta e só defendem seus interesses. Também são humanos e não resistem a um meio fortemente embasado no egoísmo, e há que se considerar que muitos humanos são atraídos para este meio exatamente por isso. 

Por que todo rico tem que ser desonesto e opressor? Por que todo pobre tem que ser honesto e sofredor? A realidade nos mostra que generalizações são sofríveis. Gostaria que o trabalho daqueles que pensam sem fisiologismo, sem proselitismo, fosse o da união e não da separação, por que todo ser humano que está neste planeta precisa de ajuda e compreensão, e não é o quanto tem ou não de bens materiais que o fará melhor ou pior. Está na base do pensamento comunista a igualdade de oportunidades, e esse pensamente é lindo e justo, e é isso que todas as classes precisam aprender, principalmente a dos políticos, nossos semideuses inatingíveis. Que lástima ver o quanto este pensamento é distorcido!

Mais amor, mais paciência, mais compreensão, porém sem a passividade parcimoniosa com o erro, seja de que classe for. Se alguém se posta de um "lado, pensando que o outro está em lado oposto, está completamente enganado. 

Todos caminhamos para o mesmo ponto. 

domingo, 1 de junho de 2014

Vai dá tainha? Não não vai...

depois de quase um ano, ela está de volta... garanto que as imagens não chegam nem perto do sabor. Com o incremento do pinhão e da linguiça Blumenau na farofa, coube muito bem até um tinto pinotage sul africado, muito elegante....



a farofa

o filé da tainha pré assado

a farofa cobrindo os filés

pronto...






quinta-feira, 29 de maio de 2014

Respeito

Tenho visto o governo alardear com pompa de milagre benefícios que são apenas obrigação de governo, pois pagamos para isso. Também tenho visto a oposição alardear como tragédia os erros do governo que eles mesmos praticaram, quando foram governo, com o mesmo requinte de deboche ao cidadão. Números em estatísticas corrompidas explodem na mídia, dos dois lados, e pessoas que se julgam inteligentes e superiores enquanto pregam igualdade nas quais não se ajustam (porque só consideram iguais quem pensa igual) estimulam o ódio, quando deveriam trabalhar para a paz. O que fazer? Tanto a grande mídia, quanto a "pequena mídia", está corrompida por suas necessidades, sejam elas monetárias ou idealistas. Ambas vedam a visão ampla das necessidades humanas. Ambas tentam influenciar mais do que clarear. A desonestidade moral e intelectual está varrendo o país, e é uma pena ver alguns bem intencionados caindo na malha fina da massa de manobra. O que fazer? Bem, se eu posso dizer alguma coisa que considero útil, eu peço calma. Nada de pressa. Nada de raiva. Nada de precipitação. Nada de pensar que o menos ruim é bom. Nada de se deixar levar pela excitação de notícias bombásticas. Calma, mais amor, menos ódio. Mais igualdade, indiferente de partido, idealismo, condição social. Moramos todos na mesma casa, por isso a paz é indispensável. Se amor é complicado, vamos pelo caminho do respeito, que tem sido tanto pisoteado. Respeito sempre precede à compreensão. Compreensão sempre precede a igualdade de oportunidades. E por aí vai...

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Por amor ao Brasil





No imenso tempo decorrido até o momento em que começo a escrever este texto, o Ser se construiu e, obviamente, continua se construindo. Tudo faz parte desta construção. Usando a ideia darwiniana, mesmo por ser mais aceita, não é difícil entender que, neste tempo decorrido, desenvolvemos intensamente as aptidões físicas, a intuição e o intelecto. Desenvolver o sentimento é um passo à frente da jornada. Equilibrar estes elementos pode significar um estado de felicidade, mas ainda é uma busca. A imensa disparidade humana, no presente, mostra o quanto é difícil este equilíbrio, a começar pelas próprias aptidões físicas. Sim, somos todos iguais. Temos todos os mesmos direitos e responsabilidades. Porém, não tem como viver dentro de um claustro de ingenuidade e pensar que todos vão se comportar da mesma maneira com o que têm nas mãos. Eu sei que muita gente pode pensar, e afirmar, que as pessoas se comportam de maneira diferente porque têm mais ou menos bens materiais, ou de condições propícias à felicidade. Não acredito que seja assim, e a prática tem mostrado isso. Ainda somos diferentes, embora sejamos iguais. No balanço entre aptidões físicas, instinto, intelecto, sentimento e consciência sobre as diferenças, reside a possibilidade do bem estar social coletivo.
O que vimos na Bahia recentemente, com a multiplicação impressionante da criminalidade quando a polícia não esteve nas ruas, mostra o quanto ainda o Ser não se compromete com o sentimento, principalmente o de bondade. Mostra que consegue se manter na linha por medo de ser castigado. Uma pena, mas é a realidade.
O que vemos no patamar do poder, político principalmente, e tão distante do patamar que a população em geral vive, tem muita semelhança. O uso particularizado do intelecto, sem o impulso natural do sentimento (principalmente o da bondade) leva o Ser a práticas egoísticas em primazia. O fisiologismo, o corporativismo, o domínio da construção e manipulação das leis, leva à corrupção, à drenagem dos bens públicos para fins escusos, ao não investimento em cidadania. Não há lei que os alcance e, como humanos do mesmo padrão evolutivo, se comprazem pelo fato de não serem punidos. Acabam sendo violentos, muito violentos.
Os pensadores de várias ideologias aplicam o intelecto em níveis elevados, e formulam doutrinas espetaculares em torno do bem coletivo, embora, na maioria das vezes, este coletivo não seja amplo. Porém, quando percebem que a teoria, tão brilhantemente concebida, não se desenvolve na prática, porque os seres humanos iguais são diferentes, forçam de baixo para cima a execução da ideia. Impõem-se leis. Impõe-se comportamento. Se a massa populacional não aceita, corre-se o risco de vários tipos de ditaduras, todas agressivas. Geralmente os pensadores não chegam a cargos de poder. Acredito que, se chegassem, poderia ser atenuado o mau uso de suas doutrinas. O que acontece na prática, é que os líderes que usam das ideologias formuladas, não têm mais que ninguém o equilíbrio entre os fatores evolutivos desenvolvidos: aptidão física, instinto, intelecto e sentimento. No patamar humano, são iguais nas diferenças, e, por isso mesmo, não sabem lidar com o poder. É histórico e facilmente detectado.
Chegará um dia em que estabeleceremos o padrão de igualdade. Mas engana-se muito quem pensa que a igualdade pode ser imposta de cima para baixo, ou mesmo de baixo para cima. Igualdade não se impõe de maneira nenhuma. Igualdade não existe enquanto os seres humanos não souberem respeitar profundamente as diferenças, os tempos e dificuldades de cada um. Igualdade só existe quando aptidão física, instinto, intelecto e sentimento estiverem equilibrados numa quantidade de pessoas tamanha, que a conseqüência seja líderes no mesmo patamar evolutivo.
Não estamos nesta situação? É evidente que não. Na verdade estamos longe, mas também é evidente que estamos no caminho. Basta ver as conquistas na atenção que se dá às diferenças de aptidão física no presente. Hoje temos jogos paraolímpicos. A maioria dos países está se preocupando com as limitações físicas nas ruas, no trabalho. Eu sei que é um pouco triste pensar que é uma atuação incipiente da humanidade, preocupando-se com o primeiro fator evolutivo da lista e deixando os outros ainda tão à deriva. Mas há que se reconhecer que esta preocupação advém do desenvolvimento do sentimento. Então virão outras. E outras.
E existe um caminho para que este equilíbrio seja alcançado mais rapidamente? Claro que existe. Precisamos pensar em coletividades mais avançadas no uso da cidadania e na aplicação dos direitos humanos para entender. Não foi apenas o desenvolvimento financeiro que levou alguns países a este avanço. Talvez o próprio desenvolvimento financeiro tenha vindo depois de se conseguir cidadania e equilíbrio de direitos. Quem veio realmente antes? E o que podemos copiar destes países e tentar implantar na nossa terrinha, que é tão grande? Justiça. O primeiro passo eficiente para o equilíbrio de uma nação é um código penal enxuto, justo, facilmente aplicável. Porque mesmo o Ser destes países ainda está no mesmo patamar evolutivo que o nosso, só que já aprendeu (e formou uma massa crítica significativa) a se comportar dentro da lei.
Exemplo prático: você pode andar de ônibus por Roma sem pagar passagem. Pode entrar em um ponto e sair em outros, e não pagar, porém, se for apanhado, a multa é altíssima. Se não pagar a multa, é processado. Se for processado, fica registrado na carteira de trabalho. Pouquíssimas pessoas arriscam, porque, de repente, 3 ou 4 fiscais entram no ônibus e verificam as passagens. O mesmo acontece nos trens. Simples, repetido, até se chegar na ordem, respeitando-se os direitos. Imagina se isso for implantado no Brasil!
As leis brasileiras são confusas. A justiça brasileira é cheia de brechas. A impunidade é notória. Os processos são lentos e nem ladrão de galinha tá ficando preso mais, porque não tem espaço nas cadeias. Países como a Holanda, por exemplo, estão transformando prisões em espaços públicos, pela falta de presos, tamanha é a conscientização popular em torno do cumprimento das leis.
A reforma no código penal brasileiro é fundamental, para que também se possa fazer uma reforma política coerente, em um segundo passo. E precisamos disso porque somos como filhos, que quando são deixados muito à vontade pelos pais se tornam infelizes e desajustados, porque não têm noção de limites, são inseguros e frágeis. Qualquer psicólogo pode confirmar isso. Somos ainda dependentes de controle, porque dentro do controle nos sentimos mais seguros e entendemos melhor os limites até aonde podemos ir, dentro do antigo e repetido conceito que diz que a minha liberdade vai até onde começa a liberdade do próximo.
Não adianta pensar que mudar os nomes de um governo, ou mudar de partido, vai significar alguma coisa segura no desenvolvimento do nosso país. Isso já aconteceu sem mudanças significativas. Não temos massa crítica equilibrada nos quatro fatores evolutivos que nos trouxeram até agora, para que possamos gerar naturalmente líderes comprometidos com a felicidade geral. E eu digo geral mesmo, não apenas do seu grupo ideológico.
Diante de tudo isso, não tenho nenhuma dúvida de que a palavra chave para chegarmos ao equilíbrio sócio econômico tão buscado, chama-se JUSTIÇA. Aptidão física, instinto, intelecto e sentimento, regido por leis simples e inteligíveis é o caminho mais curto para a estabilidade.
E o que tem isso a ver com o título do texto: por amor ao Brasil?

Tudo. 

terça-feira, 15 de abril de 2014

e a coragem da decência?

duas trincheiras formadas e os soldados nem sabem bem na qual ficam mais tempo... com as mãos sujas de lama e merda, (com o perdão das palavra), as armas comuns,  os dois lados se sujam, mas não se indignam, nem se enraivecem, tampouco se ferem de qualquer forma, pois sabem que a vitória virá sempre. 

por quanto tempo ainda viveremos a era da hipocrisia?


entendam que não estou levando em conta qualquer veracidade ou tendência política das fontes abaixo, mesmo porque, o problema é exatamente este: falta de veracidade e tendências políticas desonestas.



onde está a coragem de ser decente?



segunda-feira, 24 de março de 2014

meu voto vai pra quem?

Devido às minhas postagens, algumas pessoas podem julgar que sou contra o PT e que faço campanha para que ele perca as eleições para presidente. Gostaria de deixar claro que não sou contra o PT, mas também não sou a favor. Só que isso se dá em relação a todos os outros partidos políticos brasileiros. Não faço questão que este ou aquele ganhe, porque já faz um bom tempo que podemos somar todos e colocar no mesmo balaio. Fazem parte do mesmo Partidão, como venho chamando há alguns anos. Votei no Lula e esperei mudanças, mas o Lula precisou se aliar a gente muito mais forte que ele e gostou da brincadeira, então não fez as mudanças prometidas.

O que eu gostaria que acontecesse mesmo deriva para a área das mudanças estruturais. Não temos partidos fundamentados em ideologias sólidas (nem líquidas). A única ideologia dos nossos partidos é o conchavo, além do fisiologismo, do corporativismo, da corrupção.. é claro. Basta esperarmos um pouco e veremos conchavos estapafúrdios para as eleições deste ano. Então, se é tudo a mesma coisa, por que mudar de partido? Que diferença real vai fazer se não acontecerem mudanças efetivas no Governo e na governabilidade? Mudar o partido que está segurando as rédeas aqui, na patriazinha, não significa quase nada.

Vivemos uma democracia fantasiosa, a começar pelo voto que é imposto. Voto obrigatório é cacoete de ditadura, por mais que ditadura e voto não combinem, mas, no Brasil, até no voto, baluarte da democracia, conseguiram colocar cabresto. De resto, a nossa democracia fantasiosa passa por um povo de índole maravilhosa, mas que prefere fazer piadinhas sobre delitos do que se indignar com eles. Um povo que sofreu com mãos pesadas que o conduziu por tanto tempo e que, numa época não queria mudanças devido aos pequenos favores que recebia dos coronéis, ou dos padrinhos: uma carradinha de barro, uma caixinha de remédio, um carro pra levar pro hospital na cidade maior. Não queria mudar porque achava que poderia piorar. Depois viu que mudou e não piorou e, pra muita gente, até melhorou, porque os pequenos favores se institucionalizaram, passaram a ser registrados e com conta em banco. Não estou aqui desmerecendo o bem que os programas de assistência trazem, mas não posso deixar de entender que o governo pensa mesmo nos votos que eles geram, e não no bem estar. Se pensasse diferente, já teria dado continuidade na inclusão social dos segmentos alcançados. As manifestações de junho são uma prova evidente disso e, talvez, uma réstia de esperança de que a nossa democracia fantasiosa ainda pode mudar. Uma esperança de que a população, mesmo que ainda pobre em escolaridade e educação de uma maneira geral, não se entregue tão docemente à ditadura da mídia, geral ou partidária, e pense por conta própria. Principalmente, que entenda que o Poder já procurou caminhos para que os protestos não tenham nenhum mérito.  

É claro que o Poder (como é pensado aqui, principalmente) não tem interesse em educar. Os currais eleitorais só mudaram de perspectiva. O aporte do estado em educação é ridículo, e sempre foi. Direita e esquerda vivem de promessas, com palavras de ordem que se repetem a cada eleição, não só na educação, mas em todos os setores básicos. Então eu não quero apenas que a esquerda perca e a direita ganhe. Vice versa é a mesma coisa. Temos visto bilhões escorrerem pelos desvãos de uma copa do mundo, ou de contratos que foram assinados sem ler todo o texto, como é caso da Petrobrás na compra de Pasadena. Quantas Pasadenas já não devem ter acontecido? Que incapacidade gestacional! Mas já vimos também bilhões se dissolverem na “privataria” tucana, na corrupção muito mais bem organizada do PSDB, com o refinamento que o PT não tem. Vejam que citei apenas dois partidos, mas é a mesma coisa citar outros. O político é de um hoje, de outro amanhã, tanto faz. Todos perdemos com isso. Promessas repetidas não vão mudar nada nossa vida. Mas, então, o que eu quero de verdade?
Mudanças. Não promessas de mudanças. O cenário político brasileiro já virou piada mundo afora. Precisamos mudanças exatamente onde os que podem mudar ditam as leis e debocham miseravelmente do povo, mesmo que dependam dele. O primeiro passo é a reforma política, mas não uma reforma tola, mudando cadeira de lá pra cá e colocando a mesa encostada na parede. Reforma profunda, desde o número de políticos até o que eles ganham de salário e benesses extras, que saem todos do nosso bolso, passando pela fidelidade partidária e definição de idealismos.  O Planalto é o grande ladrão da represa, por onde escoa nossa esperança. Se lá não mudar, nada mais muda. Não melhora segurança, educação, saúde, transporte, estradas, portos... nada.

E como mudar lá? Votando em pessoas melhores do que as que já estão lá? Que piada! Pensar assim é desconhecer a história política dos povos. Dizer que o voto é a revolução pacífica que pode mudar o mundo é profunda ignorância de todas as revoluções que nos trouxeram até aqui. Todos os que chegam ao poder se locupletam com ele, independente se foi com sangue ou com voto: Robespierres, Stalins, Chaves, Fideis, FHCs, Lulas, e por aí vai. (Perdoe-me Mujica, espero que sua exceção se concretize)

Só que assim vão dizer que eu não vejo saída nenhuma. Bem, se eu não visse, nem estaria me oferecendo de vitrine aos radicais para me espicaçarem. Então, qual a solução que eu proponho?

Nenhuma. Não sou cientista político. O máximo que sei fazer é apontar os erros. A finalidade deste texto é deixar bem claro minha posição política, porque os trolls de esquerda só querem desmerecer qualquer coisa que quem usa seus neurônios e não seja conivente a eles escreva. Assim como deixei claro que sou classe média em um texto anterior e não vejo nenhum demérito nisso, muito pelo contrário. Então minha posição está mais do que nunca colocada. E que venham as pedras.

Ah! Em tempo. Embora o voto não consiga provocar as mudanças estruturais que precisamos (não com a nossa democracia de mentirinha ou com o sistema político vigente), ele é o único, mas o único mesmo, bem sobre o qual o político tem algum interesse (porque dinheiro eles sabem que vão levar de qualquer maneira). Então, pensem muito, mas muito mesmo, em como vão usá-lo. Eu, de minha parte, só volto a votar quando algum candidato apresentar um programa sério e aplicável para melhorar a educação no Brasil. Até lá, continuo não votando. Não aceito imposições de obrigatoriedade.


foto de http://mercurymagazine.net/absolutismo-e-democracia/

domingo, 9 de março de 2014

Quer emagrecer???



Uma experiência pessoal, pensando nos que querem perder peso.

Amanhã, 10 de março de 2014, faço aniversário de 1 ano de mudança no pensamento alimentar. Foi um dia depois da festa de aniversário da Bárbara Biscaro no ano passado que comecei um processo de conscientização para mudar.
Digo já aos que querem tentar: deixem as fantasias de lado. Não pensem que conseguem quando quiserem. Não pensem que basta começar a fazer exercício, que basta parar de comer isso ou aquilo. Não, não mesmo.
Eu já sou veterano em regimes, porque sofro com esse gene danado que me faz engordar, assim como muita gente. Já tinha perdido peso muitas outras vezes, porém, sempre com os malditos retornos e a sanfona da balança tocando incessante e desafinada. Foi por isso que pensei numa mudança mais profunda. Alguns diziam: você precisa cortar isso, cortar aquilo... você precisa fazer exercícios... tal dieta é ótima... não coma mais carne vermelha... não coma isso não coma aquilo. Bem, todos os fatores têm uma vírgula a acrescentar no texto, mas, o que servem mesmo para o contexto de cada um? Estas dicas ou orientações passam a ser insignificantes se você não se conscientizar de um fator preponderante, com certeza, o mais importante de todos: COMEMOS POR PRAZER, e é o danado do prazer que nos tira os limites.
Na verdade, precisamos bem menos do que estamos acostumados para mantermos nosso corpo saudável e foi este o ponto fundamental onde centralizei minha necessidade de mudança. Diminuí radicalmente todas as quantidades. É claro que reduzi ainda mais o vilão principal, o carboidrato. Pensam muito nas gorduras, que são mesmo abomináveis, mas os carboidratos estão muito mais presentes. Estampam-se sedutoramente em vitrines e pontuam nossos passos em quase todo lugar que vamos. São fáceis e quase irresistíveis quando chegamos em casa cansados e prontos para a infalível desculpa: ah! Hoje eu mereço! Então lá vai pra dentro pão, cucas, bolos, pizzas, massas brancas em geral, e açúcar. Foi aí o meu ponto principal. Foi aí que realmente mudei.
É claro que é preciso exercício físico. Eu corro sempre que posso, porque sempre gostei de correr. Faço meus anaeróbicos em casa com relativa freqüência. Porém, eu sempre fui de fazer exercícios, e muito, então não era esse o elemento principal. E digo mesmo que não é de ninguém, porque, na imensa maioria dos casos de quem não é atleta profissional, ou mesmo amador, mas que compete com freqüência, é impossível perder peso somente fazendo exercícios. Eu comecei com a dieta de Dukan, e ela é ótima. Fácil de encontrar no Google; fácil de ser seguida. Fui fiel a Dukan por 3 meses, depois me mantive eu comigo mesmo, num esquema de suco verde em jejum, logo depois café da manhã com pão integral (duas fatias) e queijo ou requeijão. Almoço com uma colher de arroz, uma de feijão, bastante salada e proteína (numa média de 400 gramas o prato). Até as 17 horas me permito frutas, ou mesmo um pouco de fruta quando chego em casa, mas nunca depois das 19 horas. Meu jantar? Normalmente não tenho jantar. Se a fome apertar demais, um pedaço de peixe, ou de frango, pequeno, uma salada leve, depois líquidos (no meu caso, abuso dos chás). Mas é importante pensar no tipo do líquido: água de coco tem carboidrato, além de muitos eletrólitos que causam retenção líquida, então tem que maneirar muito; suco de laranja é calórico; sucos de frutas em geral, somente até as 17 horas. Então os líquidos noturnos devem ser bem pensados, porque o malandro glutão vai querer colocar iogurte, leite, suco de laranja, água de coco, ou muitos outros sucos de caixinha, ou de soja. Por favor, cortem os industrializados ao máximo. Façam seus próprios alimentos ao máximo. E não adianta pensar que, porque mudou a alimentação tirando açúcar refinado e gordura, pode comer uma melancia, um abacaxi, duas mangas e quatro cachos de uva. Pô! Isso faz parte das fantasias. Sem se enganar que o tempo passa e o resultado não vem mesmo, e daí o desânimo bate.
Tudo o que falam os nutricionistas é importante, mas você não vai conseguir consumir tudo que falam que é bom. Se você fizer isso, vai virar um balão dietético. Troque a massa branca por integral, mas não coma um pão integral inteiro numa sentada. A oferta de alimentos sustenta o comércio e as indústrias alimentícia, de medicamentos e de defensivos agrícolas. Então a oferta vai ser muita e não só de alimentos evidentemente satânicos, mas também de dietéticos.
O prazer de comer combate nossas tensões, decepções, angústias, mas nos traz uma conseqüência bem pior, que é a sensação de derrota pessoal cada vez que a balança nos denuncia. Neste processo de um ano é claro que eu senti fome muitas e muitas vezes, mas a obstinação me levou a trocar o prazer de comer pelo prazer de ver o peso baixar. Tem uns que dizem pra não subir muito na balança, mas eu fiz o contrário, subia duas vezes por dia. Assim aprendi a ter um controle maior sobre o que comia e entendi o que me faz bem e mal. Sou apaixonado por vinho (e os mais chegados sabem o quanto), mas este néctar dos deuses me castiga. Então é uma ou duas taças no fim de semana. Achei importante me pesar muito. A balança me ajudou demais no processo e deixou de ser inimiga, porque passou a registrar minhas conquistas logo depois de uma batalha contra a vontade de comer. Acreditem, ela é uma fiscal precisa no registro de tudo o que você faz ou deixa de fazer quando o assunto é perder peso. Façam dela sua aliada.
Eu poderia escrever um texto muito mais longo e bem mais rico em detalhes, mas cairia no lugar comum das dietas. O que quero realmente é reforçar o que mais aprendi neste ano: o fundamental mesmo, indispensável mesmo, é entender que podemos viver com muito menos (mas coloca menos nisso!) do que comemos habitualmente. Foi assim na natureza, antes de aparecer a obesidade. Pensem nisso.
Ah! Antes que eu me esqueça. No dia 09 de março de 2013 eu estava com 109 kg. Hoje, um ano depois, estou com 91 kg. Eu sei que tem gente que emagrece bem mais em um ano, mas, no meu caso, tenho certeza que é para sempre. Para sempre. Pensem nisso também.


quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Propaganda, alma do negócio...


E quando o objetivo é a urna, pode ser enganosa o quanto quiser, porque todo mundo já está acostumado. Hoje ouvi uma propaganda do governo federal sobre as obras em andamento em Santa Catarina. Em meio às frases feitas tradicionais, saiu uma primorosa: o Brasil, das grandes nações, é o país que tem mais obras de vulto sem executadas. 


Caramba! Estamos a um passo de uma copa do mundo e a dois de uma olimpíada. Mesmo passando vergonha do alheio internacional até agora, com os trágicos atrasos e os já esperados monstruosos superfaturamentos, é natural que sejamos um país com obras de vulto. O problema não é esse. O problema são as obras citadas como exemplo na propaganda, em realização aqui em Santa Catarina: a pífia ampliação do aeroporto Hercílio Luz e a duplicação da BR 101. 

Para quem é do estado nem é preciso continuar mais escrevendo nada, já deve estar rindo (exceto os vociferantes radicais de esquerda que, óbvio, vão me chamar de reaça, e outras coisas repetitivas). Mas vou levar em consideração os que não são daqui e comentar um pouco mais.

Antes vou pedir ajuda... alguém pode me informar há quanto tempo a BR 101 está sendo duplicada? Eu não lembro mais. Lembro que em 1997 o trecho norte ainda estava sendo duplicado. Então o trecho sul está na espera há mais de 15 anos (considerando o começo da obra). Isso é obra de vulto? Isso é uma vergonha¹ Isso é um profundo desrespeito a todos os cidadãos que sofrem nesta estrada, pedagiada, congestionada, assassina. É um desrespeito a todos os mortos em acidentes causados pelas péssimas condições dela, pelas infinitas obras que nunca acabam. Vergonha, apenas. Nunca uma obra de vulto. 

Sobre o aeroporto Hercílio Luz, seria interessante lerem o que o piloto Antonio Carlos Cruzeta fala a respeito. Clique aqui. Não vou me alongar sobre isso. Para um Estado considerado o melhor destino turístico do país, nosso principal aeroporto é apenas mais uma grande vergonha. Puxadinhos, e só. 

Tá difícil ser brasileiro... sim, parece que sempre foi, mas tá cada vez mais. A bagunça tá desmedida, a falta de vergonha também. E não pensem que estou atacando o PT. Não, longe disso. Ataco a classe política, essa corja que legisla em causa própria e estraçalha a pátria. Ataco todos os partidos que não apresentam nenhuma ideologia definida e que fazem conchavos aleatórios, independente de princípios. Ataco o Partidão, a qual todos pertencem. Exceções, se existirem, não aparecem. 

Ataco Lula abraçando Malluf, o supra-sumo da descompostura moral da classe política. O exemplo maior do descaso com a ética e com a moralidade cívica. Daí querem dizer que a direita está usando a imprensa pra moldar a opinião da população para um golpe fascista. Caramba! Existe maior exemplo de direita degenerada que este filhote da ditadura (parafraseando Brizola, mas não me dizendo fã dele), chamado Paulo Malluf? Se a esquerda abraça e pede apoio para o fascismo escrachado, o que sobra de seriedade para o Brasil?

Nestes meses que nós, trabalhadores, pais e filhos da classe média ou não, meritocratas ou não, estamos nos vendo loucos para pagar tantos impostos diretos e saudar quase infinitos compromissos, eu pergunto: até quando? 

Até quando vamos suportar tanta baixeza?

domingo, 23 de fevereiro de 2014

declarando minha posição como classe média

postei este texto na fugacidade do face... vou deixar aqui ele registrado, na perenidade do blog...


de uma maneira geral está me deixando irritado, ou mesmo desanimado, pra não falar pior, a campanha totalmente eleitoreira que a chamada, rotulada, esquerda (que se alia com a direita e o centro de acordo com seus interesses) está movendo contra a classe média. Eu sou classe média, e sou meritocrata, e não sou de nenhum partido. Se existisse um partido humanitarista (e levasse realmente a sério seu nome) eu seria. Mas a minha irritação vem de saber do meu esforço em me manter digno dentro da sociedade, sem corromper ou ser corrompido; de ter estudado, me esforçado e, até certo ponto, vencido, e, mesmo assim, se clamo por meus direitos, naturais do cidadão que paga impostos, sou chamado de fascista, reaça, pequeno burguês, elite... Qualé, gente? O PT montou no título de partido da ética; de primar pela liberdade democrática e agora não aceita ser contestado. Quem contesta não tem visão social, é burro, sem noção, manipulado pela Globo, pela Folha e pela Veja. Só está certo quem apóia a esquerda... Gente, isso é uma afronta à minha liberdade, não apenas de expressão, mas de me posicionar como cidadão diante da sociedade. Sou classe média, não sou burro, não sou alienado, e quero ver os meus direitos respeitados, assim como os direitos de todos os seres humanos, independente de como se rotulem politicamente. Sou contra o nivelamento social através do assistencialismo por tempo indeterminado, porque se uma pessoa vive da assistência, o dinheiro vem de alguma que trabalha. Sou a favor de se oferecer oportunidade através do trabalho produtivo e adequadamente remunerado, afinal, esta grande economia mundial ainda precisa de tudo, em todos os campos, desde a construção de creches, escolas, estradas, portos, até operadores de voos, policiais especializados, cientistas, médicos... Por isso, não me venham enfiar goela abaixo o que não querem ouvir em contra partida.